drone de bolso

O Exército dos EUA em breve estará equipando algumas unidades no campo com minúsculos drones “de bolso”. O 1º Batalhão do 508º Regimento de Infantaria da 82ª Divisão Aerotransportada começará a usar os dispositivos no próximo mês no Afeganistão. Espera-se que os dispositivos portáteis se tornem um kit padrão para unidades em todo o Exército, fornecendo vídeos quase em tempo real que permitirá aos soldados inspecionar melhor o ambiente e detectar inimigos em combate.

O Exército comprou os Black Hornets, fabricados pela FLIR Systems Inc., sediada no Oregon, para testes com unidades das Forças Especiais em 2016. Os dispositivos são extremamente leves, quase silenciosos e têm tempo de voo de até 25 minutos, segundo o site da empresa.

O Exército dos EUA começou a testar o drone em 2016 e 2017. No final de abril, a 3ª Brigada de Combate começou a treinar com os drones, exibindo uma variedade de cenários nos quais os dispositivos poderiam ser usados. De acordo com o departamento de tecnologia do exército, os drones são projetados para auxiliar os soldados desmontados posicionados no campo de batalha, permitindo que eles explorem o terreno nas proximidades e procurem por soldados inimigos.

“Esse tipo de tecnologia será um salva-vidas para nós, porque nos tira do perigo, ao mesmo tempo em que aprimora nossa capacidade de executar qualquer missão de combate”, disse o sargento. Ryan Subers do Exército. “Sou muito grato por tecnologias como essa e por fazer parte da primeira unidade a usá-la.”

Os drones são minúsculos – pouco mais de quinze centímetros de comprimento e pesam 33 gramas, facilitando o transporte dos soldados enquanto estão no campo. Cada drone carrega um par de câmeras, e pode enviar vídeo ao vivo e imagens estáticas de volta para seus operadores. Eles também podem voar sozinhos, têm um alcance de 2 quilômetros.

O batalhão no Afeganistão estará trabalhando para descobrir como melhor usar o sistema, de acordo com um porta-voz da brigada. Ensinar um soldado a voar leva dois minutos. Treinar um instrutor leva menos de três dias. Os soldados que usaram o dispositivo parecem ter ficado impressionados com seus recursos.

Comandos sem fio e dados enviados entre o drone e seu controlador são criptografados para protegê-lo contra hackers, informou o exército dos EUA em um comunicado divulgado em maio do ano passado, no qual o serviço informou ter encomendado cerca de 60 sistemas.

Fonte: Stars and Stripers

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.